Dec 8, 2020 • 1HR 2M

{o outro #5 - Suzana Nakamura} "Eu percebi que tenho medo do julgamento das pessoas, mas, em contrapartida, quando escrevo, eu já não tenho mais".

2
 
1.0×
0:00
-1:02:09
Open in playerListen on);
Revelando a interioridade de nosso eu mais profundo através de longas e íntimas narrativas contadas em primeira pessoa; por mim, Larissa Xavier, e por quem quer que queria se confessar. Porque somente a escrita pode libertar o que a vida faz aprisionar.
Episode details
Comments

Hey, psiu! Tá vendo esse botão “play” aí em cima? Ele é pra você que está sem tempo - ou que está com preguiça mesmo :P – de ler a confissão abaixo e conhecer nosse convidade. Apure seus ouvidos e ouça a essa conversa boa no podcast. Mas sem desculpas pra deixar esse conteúdo de lado, ok? :)


PSIU: LEIA O EMAIL ATÉ O FINAL, TEM UMA SURPRESA BOA TE ESPERANDO, PROMETO! ;)

Olá você,

Se há cinco anos me tivessem dito que eu, ainda que inconscientemente, poderia influenciar um amigue na busca por si mesme ou por quem se quer ser; eu não acreditaria. Não que eu não ache que eu seja capaz de tal feito. Mas quando se fala de usar o universo como guia, para uns pode ser difícil achar meios práticos e palpáveis de se ter o resultado que procura, sem contar que nem todo mundo está 100% disposto a enfrentar o desconhecido — seja ele “dark matter” ou um desejo profundo que costumamos negar.

Fato é que toda essa minha insistência em propagar o “não-material”, me deu bons frutos, pois hoje não me orgulho de mim mesma, mas, sim, em poder ver um outro alguém reluzir de modo que enche meu coração de força.

Pela primeira vez na Literatura Confessional — o outro, trago uma amiga que conheço e que me conhece proporcionalmente. Essa pessoa é Suzana Nakamura, designer, oraculista e escritora que foi minha colega de firma no passado, mas, que, graças ao universo, se tornou um ser humano que detém, além de minha amizade, meu respeito e admiração.

A história da Su, em algumas nuances, me lembrou a minha. Lembrou-me que requer muita coragem para ultrapassar os confortáveis desconfortos e as barreiras visivelmente limitantes construídas por nós mesmas ou por outrém, para ir em busca de um eu em primeira pessoa mais consolidado.

O episódio de hoje não é somente uma conversa sobre escrita, tampouco é só sobre esoterismo; é um capítulo sobre, como Leminski colocou bem “isso de ser exatamente o que se é ainda vai nos levar além”. Levou a mim, levou a Suzana e pode, porque não, levar você, que nos lê e nos ouve, pra esse caminho também. Mas já avisamos de antemão: conectar-se com o universo afora é apenas um caminho de muitas idas e muitos destinos. E não esqueça de apertar o play nesse episódio pra ter sua trilha sonora! 

A L.C EM UM CLIQUE

Ps¹: Para continuar recebendo os emails na caixa de entrada, marque-os como “importante”, ou melhor ainda, adicione a literaturaconfessional@substack.com à sua lista de contatos!

Ps²: Gostando ou não do conteúdo, me escreva uma mensagem contando o que tem achado! Vou adorar falar mais contigo. :)


Com vocês, Suzana Nakamura se confessando em:

Pelo menos uma vez quis sentir seu gosto.

Fechou-se uma janela para sentir o que talvez ficou faltando todo esse tempo, o sabor de uma conexão.

O além físico. A experiência total de um momento presente.

Seu gozo. Seu gemido. Seu olhar.

Tudo muda e nada muda.

Seus lábios nos meus seios.

Um eu te amo perdido.

Meus dedos nos seus.

Um momento que dura horas.

Que por mim, podia durar a eternidade.

BIOGRAFIA: Designer por profissão, Suzana Nakamura, ainda na infância, também teve o sonho de ser professora, mas por estudar em um colégio religioso, acabou tendo seu sonho (e muitas de suas redações!), podadopor quem deveria enconrajá-la. Mesmo crescendo num ambinte limitante em vários setores, Suzana deu a clássica “volta por cima”, e resolveu revelar sua face triplamente escorpiana. Assim, escolheu a liberdade como um caminho apenas de ida. Hoje além de desenvolver conteúdo gráfico, a ocultista da vazão a suas emoções na página @palavrasnuas e dá dicas esotéricas pelo perfil @suzananakamura_.

Seja para ler seus poemas e prosas atravessantes no @palavrasnuas ou para marcar uma leitura de baralho cigano no @suzananakamura_, conheça o trabalho da escritora e oraculista. PERA:


Cumprindo a promessa…

Pra Su, primeiramente hehe, mas compartilho aqui também algumas indicações de leitura, que a partir da conversa que tivemos, julgo serem essencias para nosso desenvolvimento pessoal e criativo. São obras que, de fato, tirei algum aprendizado ao ler:

  • A Menina da Montanha - Tara Westover
    Minha atual leitura (e que estou fascinada!), “A menina da montanha” (Educated, versão em inglês) é um livro de memórias que mais parece história de ficção. Narrado em primeira pessoa, Tara conta sua própria história ao viver por anos isolada da civilização nas montanhas do estado de Idaho. Por consequência, a autora cresceu sem ter noção alguma da grandeza do mundo afora, e, principalmente, o que era, de fato, estudar em uma escola — lugar que ela só veio a conhecer aos 17 anos de idade! Westover prova que a educação faz toda a diferença no nosso intelecto e personalidade!

  • Palavra Por Palavra - Anne Lamott
    Que me desculpe o mestre King logo abaixo, mais esse foi o melhor livro sobre escrita que li até hoje; talvez seja por que a autora se apoia em situações reais da vida para fazer o paralelo de como confiar no escritor que habita em nós. Lamott observa do início ao fim que escrever é nada mais é do que um mecanismo de criação de sentido para a vida. Este livro é um tesouro de percepções práticas e profundas, intemporalmente revisáveis ​​e cada vez mais ressonantes.

  • Grande Magia - Vida Criativa sem Medo - Elizabeth Gilbert
    Este pode ser um velho conhecido da maioria e, pra mim, é um dos mais inspiradores que já li sobre criatividade. A vida criativa é — na opinião dela e dos muitos especialistas em que se baseia — uma maneira infalível de alcançar uma existência mais rica, variada e gratificante. A sacada de a “Grande Magia” é que a obra mais parece um bate-papo exploratório com um amigo sobre propósito e experiência de existência humana. As ideias propostas mais do que praticáveis fluem de um jeito que fica quase impossível interromper a leitura. Não à toa, grifei praticamente o livro todo!

  • Vivendo Perigosamente a Aventura de Ser Quem Você é - Osho|
    Eu sei que o Osho é um personagem bastante polêmico, mas, ainda sim, gosto muito dessas duas obras dele, porque ambas foram importantes no meu momento de autodescoberta e procura por minha “verdadeira” essência. O primeiro, Consciência, li na minha primeira viagem sozinha de avião (aos 25!!!) e sem companhia alguma (!!!). Já o segundo me acompanhou na minha fantástica aventura, também sozinha, pelo deserto do Atacama. Ambas obras exploram o quanto a consciência e estar realmente consciente para o momento presente são essenciais para viver bem consigo mesmo e com a vida que acontece afora. Estar sempre alerta como ele mesmo diz. “A vida não é um processo mecânico, não pode ser segura. É um mistério imprevisível” Osho.

  • Este é um livro sobre Amor - Paula Gicovate
    Apesar de estar esgotado, este é um livro que vale a pena rodar livrarias para achar. O amor sempre vale a pena, assim como um livro que fala tanto sobre ele. Longe dos clichês, Gicovate explora as relações pelo olhar tocante da personagem Ella entre versos póeticos e prosa atravessante.

  • Mais esperto que o Diabo: O mistério revelado da liberdade e do sucesso - Napoleon Hill
    Confesso que fiquei chocada com o tanto de reviews sobre esse livro na Amazon (mais de 7k!). Nem eu mesma conhecia o autor, tampouco essa obra que me foi recomendada pelo meu numerólogo em 2017. No livro, Hill conduz uma entrevista imaginária com o Diabo (o fracasso). Por meio da entrevista, o Diabo explica o que o torna tão poderoso e tão difícil de evitar. Em contrapartida, o Diabo também explica como ele pode ser enganado e o que é preciso para vencer o fracasso e sair por cima. Bem, qualquer que seja sua crença sobre como evitar o fracasso, certamente, este livro traz visões interessantes em como nós humanos poderíamos ver as coisas por outro viés, segundo Napoleon.

*Quis linkar os livros pro Estante Virtual (que adoro!), pois, comprar de sebo faz um bem danado pra pequenas livrarias assim como para o meio ambiente ;).


Obrigada por nos ler/ouvir até aqui. Te vejo na próxima confissão. <3

Larissa Xavier // Literatura Confessional

***Hey! Agora que acabou de ler, ou ouvir, se alguma passagem te inspirou, encaminhe esse email para alguém se inspirar também!